Concerto dos Alunos do Curso de Música Litúrgica - 20 de Junho de 2009 - Igreja Paroquial de São Martinho do Campo

 

O Curso de Música Litúrgica da Diocese do Porto

 

No passado sábado, 20 de junho, pelas 21h30, os alunos do Curso de Música Litúrgica da Escola Diocesana de Ministérios Litúrgicos, integrada no Centro de Cultura Católica do Porto, realizaram, na Igreja Paroquial de São Martinho do Campo, um concerto de coro, canto e órgão. Esta iniciativa, tão bem acolhida pelo pároco, teve duas intenções de base: proporcionar aos alunos uma verdadeira festa de final de ano (lembre-se que os exames às diversas disciplinas decorrem ao longo de todo o mês de Junho) apresentando algum do muito trabalho desenvolvido, e dar a conhecer, ou melhor, tornar público, esse mesmo trabalho. De facto, como muito bem referiu logo de início o Diretor do Centro, P. Adélio Abreu, os alunos não frequentam esta Escola com o objetivo de aprenderem música para realizarem concertos. O que pretendem quando dão do seu tempo todas as semanas ao longo de vários meses, com o acompanhamento de professores que os vão ajudando nesse desiderato, é servir a Igreja ao nível da Liturgia, sobretudo nas paróquias de onde são oriundos. Ora a competência para este serviço tem de ser trabalhada, desenvolvida, amadurecida, confrontada e sedimentada. Tem de se tornar natural, quer dizer, tornar-se a base onde se vai construir todo o trabalho futuro. O que está aqui em causa é o serviço do Senhor com o dar-se aos outros na Liturgia. Por isso é que as aulas são exigentes, por isso é que é preciso estudar muito, treinar com regularidade (a prática musical e o domínio de um instrumento não se compadecem com uma direta na noite anterior ao exame), pedir sempre mais. É esta a postura dos professores, é também o que esperam estes alunos. Claro que nem sempre é fácil. E por isso alguns ficam pelo caminho, com toda a pena que isso traz. Mas, como se ouviu no concerto realizado, cujo longo programa estava recheado de grandes autores e partituras as mais diversas, aqueles que persistem e ultrapassam as dificuldades do caminho tornam-se capazes de coisas belíssimas. E se cada um deles for para a sua paróquia e fizer um coro a vozes com o reportório que nos foi dado ouvir? E se cantar e fizer cantar a solo ou tocar órgão (admiravelmente) como alguns deles fizeram? Enquanto ouvia estes alunos (muito poucos se atendermos ao tamanho desta Diocese) várias vezes pensei: e se este coro, estes solistas, estes organistas fossem multiplicados para a Diocese toda? De que é que estamos à espera?

Joaquim Marçal