Pastoral da Saúde - entrega de diplomas do curso V

11 de Fevereiro de 2010

 

Dia Mundial do Doente - Peregrinação dos Frágeis

 

Cantando a Ave Maria de Lourdes – 11 de Fevereiro é dia da sua Memória – iniciou-se o Encontro Diocesano do Dia Mundial do Doente. Foi à noite, em Vilar. Várias centenas de pessoas, vindas dos quatro cantos da Diocese do Porto, reuniram-se com o Bispo. Nenhuma vigararia faltou à chamada. Concluía-se mais um Curso de Visitadores Paroquiais de Doentes, anunciava-se outro, desta vez para Visitadores de Instituições de Terceira Idade, e punha-se em marcha a Peregrinação dos Frágeis. Rosário Rodrigues, Presidente do Secretariado Diocesano da Pastoral da Saúde, (SDPSaúde) a todos acolheu com uma palavra simples de boas vindas que situou o evento.

Conclusão do Curso de Visitadores Paroquiais de Doentes

Isabel Ribeiro, responsável pela formação no Secretariado referiu o Curso que concluía, saudando os quase trezentos resistentes que, um ano antes, naquela mesma noite, naquele lugar, haviam iniciado o percurso, desenvolvido nas quatro zonas pastorais da diocese e agora recebiam os seus diplomas.

O Padre Adélio Abreu, Diretor do Centro de Cultura Católica (CCC), usou da palavra para saudar “sublinhando a importância do seu estudo, os formandos que concluem o Curso de Pastoral da Saúde na valência de visitadores paroquiais de doentes, realizado ao longo do último ano das quatro regiões pastorais da diocese”.  Reconheceu o forte investimento feito: “Como responsável do CCC, instituição que na diocese do Porto se ocupa prioritariamente da formação do laicado, cumpre-me enaltecer o relevo que tem sido dado à formação nesta área da vida pastoral na diocese do Porto”. Forneceu números significativos: “Desde 2004 e até ao presente são já cerca de 570 os formandos que frequentaram os Cursos de Pastoral da Saúde promovidos pelo SDPSaúde e pelo CCC. Se até ao ano passado já tinham frequentado os Cursos de Pastoral da Saúde cerca de 280 formandos, este ano o número cresceu exponencialmente com o Curso que agora se concluí. Terminaram o Curso 289 formandos, 253 dos quais com aproveitamento e os restantes 36 apenas com frequência. Na Região Pastoral do Grande Porto (CCC) terminaram o curso 85 (70 com aproveitamento; 15 com frequência); na Região Pastoral Norte (Santo Tirso) 88 (77 com aproveitamento; 11 com frequência); na Região Pastoral Nascente (Marco de Canaveses) 62 (60 com aproveitamento; 2 com frequência); na Região Pastoral Sul (São João da Madeira) 54 (46 com aproveitamento; 8 com frequência)”. Realçou, ainda, um aspeto novo no modo de operar do CCC que estes cursos vêm realizar: “Este Curso prolonga a descentralização da formação iniciada com o Curso de Pastoral III, para melhor atingir todas as áreas da diocese. Até ao presente os Cursos de Pastoral da Saúde já foram frequentados por formandos oriundos de cerca de 140 paróquias da diocese. Com este Curso trouxemos formandos de cerca de 20 paróquias que até então ainda não tinham nenhuma inscrição na nossa formação em Pastoral da Saúde”. E acrescentou: “O trabalho de formação até agora levado a efeito e tão bem acolhido pela Igreja diocesana só nos incentiva a prosseguir a tarefa”

Valentim Azevedo, um dos participantes, no polo de S. João da Madeira deu voz ao sentir de todos, testemunhando quão importante havia sido participar nesta iniciativa, que havia oferecido um novo olhar sobre os doentes, sobre o seu lugar na Igreja, sobre a responsabilidade da Igreja nesta dimensão pastoral e sobre si mesmo, enquanto pessoa e cristão. Procedeu-se, então, à entrega dos Diplomas.

Novo Curso de Visitadores Pastorais em Instituições de Terceira Idade

Fernando Santos e Rosário Rodrigues fizeram a apresentação do Curso de Visitadores Pastorais em Instituições de Terceira Idade. O primeiro, Presidente do Secretariado Diocesano da Pastoral Social e Caritativa, realçou a importância do curso que se anunciava para que a Igreja cumpra, nas instituições de idosos, um trabalho integral de acompanhamento e claramente identificado pela matriz cristã das suas muitas instituições com este fim. A Presidente do SDPSaúde sublinhou o facto promissor desta primeira parceria para a formação entre os dois Secretariados, no âmbito do CCC. O Curso foi apresentado, em linhas gerais, dando a conhecer as suas finalidades e as diversas áreas de conteúdos; foi feito o apelo, ainda, a todos os presentes para se fazerem mensageiros deste Curso nas suas paróquias. A par deste, foi também anunciada a realização de um outro, para formação de educadores em geral, na tarefa específica da educação da sexualidade.

Peregrinação dos Frágeis

Entrou-se, de seguida, na convocação da Peregrinação dos Frágeis, acontecimento que decorrerá na tarde do Domingo de Pentecostes, 23 de Maio, no Palácio de Cristal. Há mais de um ano já, como referiu Américo Azevedo, doente crónico e deficiente físico que coordena a comissão executiva desta Peregrinação, que o SDPSaúde vem trabalhando para esta Peregrinação, com o auxílio do grupo de trabalho para isso constituído e que integra, para além deste Secretariado, também o da Pastoral Social e Caritativa e o da Pastoral Familiar; vários movimentos se comprometeram, também: Fraternidade Cristã dos Doentes Crónicos e Deficientes Físicos, Fé e Luz, Médicos Católicos, Enfermeiros e Profissionais de Saúde, Conferências de S. Vicente de Paulo, CNE e Mensagem de Fátima.   

Mariana Abranches Pinto testemunhou a sua fragilidade, no momento nuclear da noite. É publicado na íntegra, como leitura oportuna para Quarta-feira de Cinzas, tal como para qualquer outro de todos os dias.

O Pe. José Nuno apresentou as razões para se realizar esta Peregrinação, inserida, desde a primeira hora, no calendário da Missão Diocesana: “convocamos os frágeis a fazerem-se peregrinos  para nos fazermos Peregrinos com os Frágeis e assumirmos a Fragilidade como Peregrinação. Por isso é que chamamos à Missão 2010, nesta peregrinação, aqueles que, na doença, na velhice, na deficiência, já manifestam a fragilidade comum a todos nós”. Acrescentou, ainda, outras razões, para esta Peregrinação que não pode ser, como disse, “um exercício de coitadismo tradicional, nem exibição gratuita de tragédias impressionantes ou manifestação de paternalismo eclesiástico”. As razões são muitas, disse, apresentado algumas: “Porque a Igreja não passa sem eles; porque lhes reconhecemos condição de sujeitos na Igreja e não apenas objeto da sua solicitude; porque são, na Igreja, Palavra indispensável da Profecia que esta tem que dizer ao tempo que vivemos: a Profecia de que o valor e a dignidade da pessoa não depende de nada além do próprio ser; porque os que, em si, já expõem a Fragilidade, comum a todos, são vanguarda profética pelo testemunho da sua Confiança, pela manifestação da sua Esperança, pela Sabedoria que só a experiência da fragilidade concede”. O Assistente do SDPSaúde desenvolveu um pouco mais esta ideia de que os Frágeis não só não são a retaguarda orante da Igreja como, precisamente enquanto orantes são vanguarda e, enquanto frágeis são vanguarda profética: “Vanguarda Profética que denuncia e desmascara a auto-suficiência e a ilusão de omnipotência em que vivemos e anuncia e proclama a primazia do Amor na verdade da Pessoa e da Cidade”.

D. Manuel Clemente fez, então, a entrega, a representantes de todas as Vigararias, de Flores da Peregrinação dos Frágeis e de cartazes, para todas as Comunidades da Diocese. O Bispo concluiu a noite, que já ia longa, com palavras breves mas significativas de confirmação de tudo o que havia testemunhado. Depois, invocado o Espírito Santo para o caminho a fazer, a Peregrinação dos Frágeis pôs-se em marcha.