O CCC inclui no seu programa para 2020/2021 uma disciplina de Iconografia Profana e Cristã, com novos conteúdos, procurando assim variar as suas propostas formativas, de modo a chegar a outros interessados e a também poder ir ao encontro daqueles que já frequentaram ou estão a frequentar os seus cursos:

A disciplina de Iconografia Profana e Cristã pode ser frequentada tanto por aqueles que frequentaram nos anos anteriores as disciplinas de Iconografia Cristã (I, II e III), como por aqueles que não as frequentaram.

A Iconografia Profana e Cristã, autónoma relativamente ao Curso Básico de Teologia, mas com as mesmas regras de inscrição e frequência, é lecionada em horário imediatamente antecedente num dos dias deste Curso, de modo que os alunos que se encontram inscritos nele, se o pretenderem e se inscreverem, possam também frequentá-la. É lecionada à sexta-feira, das 18 às 18.50 h., de outubro a junho, de acordo com o calendário do CCC.

O cumprimento das normas de assiduidade do Curso Básico de Teologia e a avaliação positiva  permitem que a Iconografia Profana e Cristã possa substituir no plano de estudos deste Curso uma das suas disciplinas que não seja de frequência obrigatória.

A frequência de Iconografia Profana e Cristã tem uma taxa de inscrição e frequência igual à da inscrição e frequência numa única disciplina do Curso Básico de Teologia. Os alunos que estiverem inscritos no Curso ou em parte dele gozam de redução de taxa.

As inscrições decorrem até 31 de julho e de 1 a 25 de setembro. Havendo inscrições suficientes, as aulas iniciam-se a 2 de outubro.

Deixa-se a seguir a ficha de Iconografia Profana e Cristã elaborada pelo docente.

 

Apresentação

 

O Papa Francisco fez um importante apelo de renovação a toda a Igreja ao exortar: «Tenhamos a audácia de traçar estradas novas para o anúncio do Evangelho». Ao longo dos séculos a arte cristã já mostrou claramente que a expressão artística é, de facto, um caminho privilegiado para transmitir, de forma mais eficaz, atrativa e duradoura, algumas verdades da fé e realidades transcendentes que, em si, são difíceis de compreender e de explicar. Porém, com a progressiva secularização, os próprios crentes, muitas vezes, já não conseguem entender a mensagem contida nas obras de arte, ao mesmo tempo que se distanciam da arte como instrumento de educação.

Na linha condutora apontada pelo Papa Francisco, ao longo dos três últimos anos a disciplina de Iconografia Cristã lecionada no Centro de Cultura Católica procurou despertar nas pessoas uma maior sensibilidade para a Arte Cristã e proporcionar os meios necessários para melhor entender a mensagem de obras que veiculam determinados conceitos teológicos, assim como as que ilustram grandes temas bíblicos, sugerindo mesmo algumas formas de utilizar as imagens para o anúncio do Evangelho.

Todavia, para além dos temas cristãos propriamente ditos, há muitas outras obras de arte que, embora não estejam englobadas no que habitualmente se denomina Arte Cristã, também transmitem mensagens carregadas de grandes valores espirituais. Esse vasto universo da iconografia dita “profana” constituiu não só uma importante fonte de inspiração para a arte cristã, como também, ela própria, está repleta de complexos significados de carácter humano, moral, ético e espiritual que, interpretados de forma correta na sua essência, constituem motivos de importantes reflexões e são verdadeiramente motivadores para a concretização de um aprofundamento espiritual e para progredir no aperfeiçoamento de uma vida que se quer própria dos seguidores de Jesus.

Assim, na complementaridade dos programas lecionados nos três anos transatos na disciplina de Iconografia Cristã, esta nova disciplina intitulada Iconografia Profana e Cristã tratará de analisar obras que se inserem em temáticas comuns nas artes plásticas, e que se deparam a todos os apreciadores de arte, a fim de captar a profundidade da sua mensagem que, muitas vezes, vai muito além do que aparentemente apresentam numa leitura superficial e objetiva.

Com a proposta desta nova disciplina pretendemos atingir os seguintes objetivos:

 

Objetivos gerais

 

Esclarecer o conceito geral de Iconografia e explicar o Método que será aplicado na leitura, análise e interpretação das obras de arte. Desta forma, quem frequentar pela primeira vez a disciplina ficará devidamente integrado e preparado para compreender a metodologia de trabalho utilizada e para realizar, de forma pessoal, a sua própria análise das imagens.

Possibilitar um olhar renovado sobre os temas artísticos propostos de modo a que, sem abdicar da necessária contemplação estética, seja possível ir além de uma leitura superficial das obras de arte e possibilite analisar e compreender, com maior profundidade, a mensagem humana e cristã transmitida pelas obras selecionadas, com vista a um melhor entendimento dos mistérios de Deus e a uma vivência mais autêntica da Boa Nova de Jesus.

 

Objetivos específicos

 

1. Estimular para a descoberta dos segredos e da beleza da mensagem artística como caminho para a compreensão de certos mistérios da fé através da análise de obras de arte alusivas a diversas temáticas profanas e cristãs.

2. Proporcionar um maior conhecimento da Bíblia, uma melhor compreensão da Mitologia das Civilizações Antigas (Egipto, Grécia, Roma …) e o seu papel na criação dos mitos cristãos.

4. Transformar cada exercício de análise artística numa experiência pessoal da vivência da fé e caminho para melhor se disponibilizar a seguir a Boa Nova de Jesus .

5. Desenvolver a capacidade e sensibilidade para apreciar as obras de arte na sua dimensão estética como caminho para a contemplação da Beleza Suprema que é Deus e estimular a atenção para a descoberta da mensagem simbólica de carácter humano, moral, ético e espiritual que poderá estar presentes nas obras de arte seleccionadas.

6. Ampliar conhecimentos sobre a arte de vários temas não religiosos e compreender a potencialidade da mensagem subjacente como possível pedagogia catequética e caminho novo no processo de evangelização nos tempos modernos.

 

Metodologia

 

O programa iniciará com uma introdução à Iconografia, em particular ao Método Iconográfico, de modo a permitir aos novos alunos uma rápida e fácil integração no processo de análise das obras de arte. Deste modo, não se torna necessário ter frequentado as aulas de Iconografia Cristã dos anos transatos nem ter qualquer preparação específica no campo da História da Arte.

Cada um dos temas propostos para análise e interpretação (Mitologia, Natureza-morta, Retrato, Paisagem e Cenas de Género) será, em primeiro lugar, explicado e analisado em si mesmo e, em seguida, feita uma leitura humana e especificamente cristã, a partir de obras concretas, tal como está discriminado no programa.

Os temas são expostos e apresentados de forma prática, mediante uma linguagem acessível, mas rigorosa, com recurso a abundante número de imagens, devidamente selecionadas, e fazendo a sua análise e interpretação da mensagem subjacente. Pretende-se interagir diretamente com os formandos e abrir espaços para o diálogo onde se privilegiará a troca de ideias, o esclarecimento de dúvidas e a partilha de interpretações pessoais.

Para além da Bibliografia apresentada, sempre que possível e necessário, serão fornecidas indicações bibliográficas ou textos básicos, importantes para cada tema, a fim de proporcionar uma formação complementar ao que é exposto oralmente nas aulas.

 

Programa

 

1. Introdução à Iconografia: métodos para analisar e interpretar as obras de arte

2. A Mitologia e sua influência na criação de personagens, mitos e temas cristãos

3. A Natureza-morta como fonte de reflexão sobre os valores humanos

4. O Retrato como espelho da história e da dimensão espiritual do ser humano

5. A Paisagem enquanto pretexto para a representação de episódios bíblicos

6. As Cenas de Género e a ilustração de Parábolas do Reino de Deus

Tendo em conta o tempo disponível para a disciplina e a vastidão das temáticas abrangidas pelo Programa, serão selecionados, para análise e debate, como base de trabalho, os episódios mais frequentes e/ou os mais significativos.

 

Bibliografia

 

Apresenta-se uma extensa lista bibliográfica relacionada com os temas do programa. Se necessário, será ampliada no decurso das aulas com textos e outras obras de referência de acordo com os temas em estudo. Os vários exemplares que tratam dos mesmos temas permitem uma diversidade ou complementaridade de leituras e de pontos de vista.

ALCIATO – Emblemas. Madrid: Akal, 1993.

BATTISTINI, Matilde – Símbolos y alegorias. Barcelona: Electa, 2005. Los diccionarios del Arte.

BÍBLIA Sagrada. 3ª ed. Lisboa/Fátima: Difusora Bíblica, 2002.

BIEDERMAN, Hans – Dicionário ilustrado de Símbolos. São Paulo: Ed. Melhoramentos, 1994.

BRUCE-MITFORD, Miranda O Livro Ilustrado dos Signos e Símbolos. [S.l.]: Selecções do Reader's Digest, 1996.

CALABRESE, Omar Como se lê uma obra de arte. Lisboa: Edições 70, 1997.

CARMONA MUELA, Juan – Iconografía Cristiana: Guía básica para estudiantes. Madrid: Istmo, 1998.

CAVESTANY, J – Floreros y bodegones en la pintura Española, 1936.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain – Dicionário dos símbolos. 4ª ed. Alfragide: Editorial Teorema, 1994.

COMMELIN, P. – Mitologia Grega e Romana. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

ESTEBAN LORENTE, Juan FranciscoTratado de Iconografía. Madrid: Istmo, 1990.

FERGUSON, George Signs and Symbols in Cristian Art. New York: Oxford University Press, 1954.

FRANÇA, José Augusto – O Retrato na Arte Portuguesa. Lisboa: Livros Horizonte, 1981.

GIRARD, Marc Os símbolos na Bíblia. São Paulo: Paulus, 1997.

GUARINO ORTEGA, Rosário – La Mitologia Clásica en el Arte. Universidad de Murcia, 2000.

HAMILTON, Edith – A mitologia. As lendas intemporais de deuses e heróis. Lisboa: D. Quixote, 2004.

HEINZ-MOHR, Gerd — Dicionário dos símbolos. Imagens e Sinais da Arte Cristã. S. Paulo, 1994.

IMPELLUSO, Lucia – La naturaleza y sus símbolos. Plantas, flores y animales. 2ª ed. Los Diccionarios del Arte. Barcelona: Electa, 2005.

LANEYRTE-DAGEM, Nadeije –  Leer la Pintura. Barcelona: Larousse Editorial, 2005.

LOGU, Giuseppe de Natura Morta Italiana. Bergamo: Istituto Italiano d'Arti Grafiche, 1962

LURKER, Manfred Dicionário de figuras e símbolos bíblicos. São Paulo: Paulus, 1983.

El mensaje de los símbolos. Mitos, culturas y religiones. Barcelona: Ed. Herder, 1992

MORILLAS, Mercedes [et al.] – Los dioses del Olimpo. Madrid: Alianza Editorial, 1998.

OVÍDIO – Metamorfoses. 2ª ed. Lisboa: Livros Cotovia, 2010.

PACHECO, Francisco El arte de la pintura. 2ª ed. Madrid: Ediciones Cátedra, 2001.

RAPELLI, Paola – Grandes dinastías y símbolos del poder. Barcelona: Electa, 2005.

RÉAU, Louis – Iconografía del Arte Cristiano. 6 Vols., Barcelona: Ediciones del Serbal, 2000.

REVILLA, Federico – Diccionario de iconografia y simbologia. Madrid: Cátedra, 1995.

RIPA, Cesare – Iconologia. ed. Madrid: Ed. Akal, 1996. 2 vols.

SANTOS, Reynaldo dos – A paisagem e o naturalismo dos segundos planos nos primitivos portugueses. Colóquio. Lisboa. 5/6 (1959) 1-23.

SCHNEIDER, Norbert – El Arte del Retrato. [s.l.]: Taschen, 1999

STEUDING, H. – Mitología Griega y romana. Barcelona: Editorial Labor, [s.d.]

TERVARENT, Guy de – Atributos y símbolos en el arte profano. Diccionario de un lenguaje perdido. Barcelona: Ediciones del Serbal, 2002.

VECA, Alberti – Ritratti del Reale. Alle origini della natura morta europea. Milano: Lorenzelli Bergamo, 2009.

WALTER, Philippe – Mitología Cristiana. Fiestas, ritos y mitos de la Edad Media. Buenos Aires: Paidós, 2004

 

Docente

Luis Alberto Casimiro

Iconografia profana e cristã

Uma proposta de formação para 2020/2021