Sessão Solene de Início do Ano Letivo 2017/2018

 

 

 

 

«Um espaço indispensável no apoio à formação de leigos qualificados para as nossas comunidades»

D. António Augusto Azevedo na abertura do ano letivo 2017/2018

Realizou-se no sábado, 21 de outubro, a sessão solene de início do ano letivo do Centro de Cultura Católica (CCC), sob a presidência de D. António Augusto Azevedo, bispo auxiliar do Porto. Compareceram vários professores e alunos, a que se juntaram familiares e amigos, sobretudo daqueles que concluíram os seus cursos no ano letivo anterior e nesse dia receberam os seus diplomas.

Após a interpretação ao órgão do prelúdio em sol menor de J. S. Bach por Ana Rita Paupério, aluna do Curso de Música Litúrgica, o P. Adélio Abreu, diretor do CCC, saudou os presentes, enquadrou a sessão e o ano letivo no âmbito do lema Movidos pelo amor de Deus, que repercute o lema diocesano para o presente ano pastoral, e apresentou a situação atual do CCC, que no ano que começa conta com cerca de 30 professores e 137 alunos, distribuídos pelos diferentes cursos: Básico de Teologia - 50 alunos; Complementar de Formação de Catequistas - 2; Acólitos - 12; Leitores – 7; Música Litúrgica (Preparatório, Geral e Salmistas) - 51. Dos 46 alunos inscritos na formação em Iconografia Cristã, 15 fazem-no só nesta formação e os restantes em conjunto com outro curso.

De seguida D. António Augusto Azevedo entregou os diplomas aos alunos que terminaram os seus cursos. Em 2016/2017 concluíram a sua formação 11 alunos do Curso Básico de Teologia, 2 do Curso de Acólitos, 1 do Curso de Leitores, 3 do Curso de Salmistas e 1 do Curso de Geral de Música Litúrgica.

D. António Augusto fez então uso da palavra para evocar D. António Francisco dos Santos, falecido em setembro, e desejar que a sua figura inspire o trabalho do CCC, ao mesmo tempo que justificou a razão pela qual D. António Taipa, administrador diocesano, não pôde estar presente. Expressou em seguida felicitação e agradecimento no início do ano letivo à direção, professores e demais colaboradores do CCC, aos alunos que iniciam, continuam e concluem os seus cursos e às comunidades que os apresentam, acompanham e ajudam. Apelou também a que todos aproveitem as propostas de formação apresentadas, afirmando que o CCC é um «espaço indispensável no apoio à formação de leigos qualificados para as nossas comunidades». Evocou, de seguida, a orientação do plano diocesano de pastoral, com incidência também no CCC. Também nele «somos movidos pelo amor de Deus em cada trabalho que fazemos». Referindo-se ao pensamento do papa Francisco, acrescentou que o anúncio da fé é a primeira expressão da caridade. A concluir, endereçou felicitações àqueles que concluíram a sua formação, referindo-lhes que, ao entregar-lhes os diplomas, «a Igreja confirma e atesta a vossa formação e envia-vos em missão; uma formação em ordem à missão num espírito de caridade».

No contexto do lema do ano pastoral da diocese para este ano e enquadrado no ciclo em curso subordinado ao tema Movidos pelo amor de Deus: Testemunhas essenciais, seguiu-se a conferência de Luís Leal, investigador do Centro de Estudos de História Religiosa da Universidade Católica Portuguesa, sobre Padre Américo Monteiro de Aguiar: Um “teólogo da ação”. Retomando as conclusões da dissertação de doutoramento que recentemente defendeu sobre este tema, o palestrante dissertou sobre alguns aspetos da biografia, obra e legado de Padre Américo, apresentando os pressupostos fundamentais a ter em conta para uma correta abordagem do seu pensamento e da sua obra literária e social. Assim, e das múltiplas vias de aproximação e compreensão da biografia, pensamento e obra desta figura central da história do século XX portuense e português, que vão da literatura à pedagogia, da espiritualidade à eclesiologia, da história da assistência à da arquitetura, Luís Leal propôs a da “teologia da ação” como aquela que, de forma mais integrada, abrangente e fidedigna ao ser-pensar-fazer de Padre Américo, permite uma melhor compreensão de todas as dimensões do seu legado. Partindo desta reconfiguração hermenêutica, é possível, reconhecer a importância, validade e perenidade do seu testemunho humano, cristão e presbiteral. Tal exercício de revisitação deste nome e exemplo está particularmente justificado no horizonte temático do ano pastoral em curso.

Assim se iniciaram solene e festivamente as atividades do CCC no ano 2017/2018, em sintonia com o plano diocesano de pastoral da diocese do Porto, que impele a que, todos os agentes pastorais e todos os cristãos ajam movidos pelo amor de Deus.